.12 de setembro de 2017

Eu me lembro, e isso dói tanto...



Eu me lembro de como afastei você, de como o amor foi se perdendo aos poucos sem mal ter começado, de como o teu olhar pra mim foi perdendo o brilho e a sua animação se extinguindo como o fogo se apaga sem oxigênio... Eu cortei o teu ar e te sufoquei, então o fogo que havia em você foi se apagando nas tentativas de se manter forte, de manter acesa a chama do nosso amor.

Infelizmente pra nós e mais especificamente pra mim, uma hora não deu pra resistir e então tudo ficou escuro - a sua chama, a nossa chama, se apagou. Num momento eu conseguia te ver, e quando te olhei animado pela última vez (afinal, pra mim, tudo ia normal), tudo que vi foram as lágrimas que molhavam teu rosto como a chuva no dia que nos conhecemos.  Tudo que ouvi foram as últimas palavras: "Eu te amo, mas não consigo mais..." e um último olhar cansado, triste, com a esperança finalmente esvaída. Eu tentei te alcançar, ainda, mas quando cheguei perto o suficiente já era tarde - incrível como a frase "amanhã pode ser tarde demais" faz muito sentido.

Tudo se escureceu, tudo ficou em silêncio, e eu fiquei sozinho...
Com o amor que ainda havia em mim consegui criar uma pequena chama, mas não vi nada, não vi você ao meu lado como sempre esteve. Desesperei-me nessa escuridão (você sabe como eu ficava quando estava sozinho com meus pensamentos) clamando teu nome como se ele fosse um pedido de socorro ou um cântico de misericórdia, porém não houveram respostas. Horas, dias, semanas se passaram enquanto eu continuei gritando e procurando por você, até que uma hora não deu mais e eu apenas parei, me sentei no chão encolhido como uma criança que se esconde no armário com medo do bicho-papão até que seus pais venham para salvá-la - a diferença, entre as duas situações, é que meu bicho-papão era a solidão, ter te perdido e te feito ir embora, e meus pais eram você que não viria pra me salvar. 

Então, de repente, me concentrando nesse silêncio, ouvi ao fundo um som que pude jurar ser sua voz doce dizendo "por quê?". Confuso, levantei devagar, tentei manter a calma na esperança de que o som dissesse mais... Como algo poderia falar comigo? Eu estava sozinho com meus pensamentos...

O que ouvi em seguida não foi você, em si. Foi a sua voz desabafando e tentando me ajudar a responder a pergunta "o que eu fiz?". E você me respondeu exatamente aquilo eu sabia, aquilo que eu temia...
Rápida e agressivamente você começou a falar: 
- "Foram todas as vezes que você se colocou acima e como prioridade quando não podia e não devia. Foi o seu egoísmo, o seu egocentrismo, a sua falta de compaixão e visão. Foram todas as suas inseguranças que não duvidavam somente de mim, mas da pessoa incrível que eu sempre disse que você é. Foram essas inseguranças que começaram me cansando pouco a pouco. Foram todas as vezes em que eu precisei de você, da sua ajuda, das suas palavras perfeitas, do seu ombro, do seu beijo, do seu abraço, todas as vezes que precisei falar e ser ouvida e você não notou por estar fechado nessa nuvem de ciúme, raiva e ego que te rodeava. Foram todas as vezes em que eu pedi calma, querendo que tudo entre nós desse certo de verdade e você, com impulsividade, não me entendeu. Você me fez bem, você foi bom, você me fez feliz, e tudo aconteceu tão rápido, espontâneo e perfeito como jamais havia acontecido antes. Mas as suas falhas cobriram todas as coisas boas... E não me veja como vilã. Eu te perdoei tantas vezes, eu tentei tantas vezes mais, te dei todas chances em segredo e você apenas desperdiçava tudo, ignorava, só queria do seu jeito..."

Então, assim, eu entendi. Uma vez alguém me disse que quando você ama e se importa, de verdade, machucar acaba doendo mais do que ser machucado; e, nesse momento, eu vivenciei essa frase. Nesse momento eu pude perceber quem eu era, o que eu havia feito e principalmente deixado de fazer. Foram as vezes em que você teve um dia péssimo e esperou ficarmos juntos a noite para falar, para buscar abrigo em mim, mas se calou diante da minha animação com o meu dia perfeito e falta de interesse em saber do teu. Foram as vezes em que eu quis, mas você não podia, e eu não entendi. Foram as vezes em que eu briguei, gritei, fui grosso, e você já estava quebrada por dentro e eu nem sequer percebi. Foi tudo, fui eu e agora eu só queria poder voltar no passado pra consertar tudo. "O amanhã demora muito pra chegar, e sempre é tempo de ser tarde demais..."


                                                             

                                         


Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Vinte e Uma Primaveras - 2016 | Layout por Design Matarazzo | Todos os direitos reservado.